Páginas

terça-feira, 9 de setembro de 2014

A menina e o vampiro

Pierre Auguste Renoir

Era uma vez uma menina chamada Patrícia que adorava sair para brincar na rua longe da sua mãe.
A mãe sempre avisava:
- Patrícia: não vá muito longe.
Mas não adiantava. Patrícia não obedecia.
Começou brincando perto de casa, com os vizinhos de perto. Logo estava brincando no fim da rua. Depois no outro quarteirão. E no outro.
A mãe saía atrás da Patrícia:
- Patrícia! Hora de fazer tarefa!
E às vezes sabe o que a menina fazia? Se escondia atrás de uma árvore ou de um muro para a mãe não vê-la e ela não ter que fazer tarefa.
Um dia Patrícia saiu de casa depois do almoço. Foi brincando e brincando cada vez mais longe. E quando deu por si estava em outro bairro, sozinha, longe de tudo que ela conhecia.
Para piorar estava anoitecendo e a Patrícia longe de casa. Era a primeira vez que ela ia tão longe.
- Deixe-me ver: se eu for reto aqui saio na rua do meu bairro.
E como tinha descoberto o caminho de casa começou a andar lentamente de volta, brincando pelo caminho.
A noite caiu e Patrícia continuava a andar de volta. Passou por um beco escuro e nem percebeu que dois olhos brilhantes a observavam.
A menina ia calmamente pela rua. E do beco escuro saiu um vulto que ia atrás dela. A menina andava tranqüila. E o vulto a acompanhava de perto.
De repente o vulto pisou no rabo de um gato, que gritou. Patrícia olhou para trás e viu pelo rabo dos olhos o vulto se aproximar. E começou a andar mais rápido.
O vulto também começou a andar mais rápido. Patrícia apertou o passo e o vulto também. Patrícia olhou para trás e pode ver o brilho de dois dentes caninos pontiagudos. Agora ela tinha certeza: era um vampiro que estava atrás dela!
Patrícia começou a correr. E o vulto também corria. Só que como ele era adulto corria mais que ela. E estava se aproximando rápido. Rápido. Cada vez mais rápido.
Patrícia corria, mas não conseguia fugir. O vampiro estava bem perto dela agora. Patrícia estava quase ao alcance das mãos do vampiro. E corria o mais que podia.
O vampiro até deu uma risada enquanto ia pra cima da menina. Por sorte nessa hora o vampiro pisou numa casca de banana e caiu de cabeça no chão. Ficou meio tonto e Patrícia conseguiu chegar na rua de sua casa.
Entrou em casa como um foguete e fechou a porta atrás dela. Contou toda história para sua mãe e prometeu:
- De hoje em diante só brinco no portão de casa. http://www.qdivertido.com.br/verconto.php?codigo=41

5 comentários:

  1. Querida Arione
    Uma linda história,que eu ainda não conhecia!
    Tem uma conclusão moral:devemos sempre obedecer!
    Gostei muito.
    Um beijinho
    Beatriz

    ResponderExcluir
  2. Eu também não conhecia essa!Linda! bjs, tudo de boml,chica

    ResponderExcluir
  3. Ufa!! Que banana salvadora, hein?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  4. A desobediência tem uma consequência rs...

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  5. Boa tarde!
    Amiga, ultimamente demoro nas visitas é que já não sou mais nenhuma jovem, mas como ainda estou na ativa, em sala de aula, requer que esteja sempre atualizada, não só eu como todos os colegas, estamos fazendo um curso aos sábados e consequentemente ficam muitas tarefas nos finais de semana.
    A Jovem que estava comigo a alguns anos, considerando da família, pois tinha toda minha confiança, mudou de endereço e ainda estou só com os afazeres de casa. Justifico, porque em algumas vezes não uso da mesma gentileza nas visitas como gostaria. Entro no face porque é bem mais rápido. Nos Blogs, organizo as postagens quando me sobra um tempinho e sempre estou visitando com um comentário colado o qual peço desculpas.
    O importante é que está aqui é um prazer e acima de tudo um novo aprendizado com suas postagens.
    Abraços, um domingo de paz e um início de semana iluminado pela Luz Divina.
    Lourdes Duarte.
    http://professoralourdesduarte.blogspot.com.br/
    http://filosofandonavidaproflourdes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir